.backtotop { position: fixed; bottom: 20px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ } .backtotop:hover { background-color: #333333; /* color of background on hover over */ color: #ffffff; /* color of text on hover over */ text-decoration: none; /* no underline */ bottom: 10px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ padding: 10px; /* add space around the text */ } -->

02/08/2012

Ícones da nossa geração (VI)



Jack Daniel's

Este whiskey provém de uma destilaria do Tennessee que destila bebidas alcoólicas desde 1886, tendo sido a primeira companhia a ser registada nos Estados Unidos.
O whiskey mais famoso desta marca é o Black Label, distribuído desde sempre numa garrafa de 0,7 l ou 1 litro.





Monogram Canvas Collection 
da Louis Vuitton

Esta coleção é considerada um status symbol em todo o mundo. Desde que Louis Vuitton abriu a sua primeira loja de malas (Paris, 1854) e o seu filho criou a Monogram Canvas com o selo LV, em 1896, a marca transformou-se numa etiqueta internacional de malas e carteiras de alta qualidade.
A empresa - que se fundiu com a Möet Hennessy em 1987 para formar a LVMH - tem, nos dias de hoje, um verdadeiro império que ultrapassou, em muito, o universo das malas e carteiras.





Wurlitzer

Desde criança que alimento o sonho de ter uma jukebox, pela sua beleza e romantismo. O modelo original de Wurlitzer - o famoso fabricante - foi concebido no início dos anos 30 e, inicialmente, tocava discos de goma, substituídos mais tarde por singles e, nos anos 80, por CD's.





Mini Cooper

Desenhado por Alec Issigonis, o primeiro Mini saiu da linha de produção em 1959, tendo sido reproduzido até 2000 apenas com pequenas alterações nos seus pormenores.
Embora os Minis se costumem chamar de Mini Cooper, este é apenas um modelo especial do carro, que talvez precisasse de um sobrenome para ter sucesso no cinema como aconteceu, por exemplo, no filme dos Beatles "Magical Mystery Tour".





Opium de Yves Saint Laurent

Este perfume feminino do final dos anos 70 era muito sexy: com uma base de patchouli e âmbar, o estilista natural da Argélia concentrou aqui a sua conceção de magia e energia do Oriente. Resultado: este perfume transformou-se num símbolo de liberdade sexual.

 

Sem comentários: