.backtotop { position: fixed; bottom: 20px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ } .backtotop:hover { background-color: #333333; /* color of background on hover over */ color: #ffffff; /* color of text on hover over */ text-decoration: none; /* no underline */ bottom: 10px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ padding: 10px; /* add space around the text */ } -->

29/06/2013

Joana Vasconcelos Exhibition

Last Sunday I went to Palácio Nacional da Ajuda to see the Joaninha’s exhibition.
I already had seen the majority of her artworks, but not live. Want to know? Much better that I was expecting!
The most part of these artworks are huge, which make us fell very small. The criativity, detail, eccentricity, personality and originality do the rest.
The Jardim do Éden (that, unfortunately, I could not shoot because of the darkness) is an installation with plastic flowers that shine. How can she create a magnificient garden with such uggly flowers?
Another unavoidable artworks are Marilyn – so powerful -, A noiva – wich is done with o.b. tampons -, or Lilicoptère, that I imagined being Barbie’s helicopter.
I felt like crying when I saw Coração Independente at the sound of Amália.
At the end I wrote in the guestbook one word that resumes everything that I felt while watching the exhibition and what I feel regarding the author: “Proud!”.
Simply. 


No último domingo lá fui, toda contente, ao Palácio Nacional da Ajuda para ver a exposição da Joaninha.
Já tinha visto grande parte das obras, mas nunca ao vivo. Querem saber? Muito melhor do que estava à espera!
Muitas dessas obras são enormes, muito grandes mesmo, o que só por si já nos faz sentir pequeninos. A criatividade, minúcia, excentricidade, personalidade e originalidade são os restantes ingredientes que nos fazem ficar de queixo caído.
O Jardim do Éden (que, infelizmente, não consegui fotografar devido à escuridão) é uma instalação feita de flores de plástico que brilham. Como é que aquela mulher consegue, com flores tão pindéricas, criar um jardim maravilhoso de onde não apetece sair?
Outras obras incontornáveis são Marilyn - poderosa! -, A noiva – que, para os mais distraídos, é feita de tampões o.b. -, ou Lilicoptère, que imaginei logo ser o helicóptero da Barbie.
Senti vontade de chorar quando entrei na sala onde está exposto Coração Independente, ao som da Amália.
No final escrevi no livro de visitas uma palavra que resume tudo o que senti ao ver a exposição e o que sinto em relação à autora: “Orgulho!”.
Tão simplesmente. 


Marilyn




Bordalo/Vespas




A todo o vapor




Deslunado




War Games




Coração Independente




Vitrail




A Noiva




Lilicoptère




Sem comentários: