.backtotop { position: fixed; bottom: 20px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ } .backtotop:hover { background-color: #333333; /* color of background on hover over */ color: #ffffff; /* color of text on hover over */ text-decoration: none; /* no underline */ bottom: 10px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ padding: 10px; /* add space around the text */ } -->

07/02/2014

| Dallas Buyers Club |






Quando fiz a crítica, ali em baixo, a “O Lobo de Wall Street”, afirmei que o Oscar de melhor ator devia ir para o DiCaprio. Depois de ver este filme, acho que a luta vai ser disputadíssima com Matthew McConaughey que, depois de andar uns anos a fazer filmes de treta, o que me levava a considerá-lo um grande desperdício, ganhou juízo e começou a fazer filmes de jeito. Melhor ainda, tem vindo a demonstrar ser um grande ator. Ora, com este atual mediatismo, se tiver dois dedos de testa (e parece-me que tem) vai continuar a fazer belíssimos filmes e transformar-se num monstro do grande ecrã. Palpita-me!
Quanto a “Dallas Buyers Club” (“O clube de Dallas”, em português), realizado por Jean-Marc Vallée, é mais um dos candidatos ao Oscar de melhor filme deste ano. Dos filmes candidatos que já vi, o meu coração continua a balançar entre este e “O Lobo de Wall Street” (com um pouquinho mais de balanço para este último, pela sua insanidade deliciosa). No entanto, “Dallas Buyers Club” é um dramalhão de todo o tamanho (em bom, atenção!) e normalmente a Academia pende mais para este tipo de histórias.
Matthew McConaughey faz o papel de Ron Woodroof, um cowboy contaminado com HIV. Como a ação (baseada em factos verídicos) decorre em 1985, em que o vírus é associado exclusivamente à comunidade gay, Ron é alvo de discriminação por parte dos “seus” e acaba por ser acolhido por essa mesma comunidade que tanto criticava.
Ron vai parar ao México, onde um médico norte-americano lhe apresenta um tratamento alternativo para a doença não aprovado pelo Governo dos Estados Unidos (mais um caso de lobbies a que já estamos tão habituados, n'est-ce pas?), tornando-se contrabandista, e criando depois um clube onde cada sócio tem direito a medicação “imprópria” (para os EUA), mas que resulta.
O resto não conto, têm mesmo de ver! No entanto, tenho de elogiar também aqui Jared Leto que, no papel do transsexual Rayon, é uma lufada de ar fresco e delicadeza e doçura.
A mim só me apetecia “trazê-la” para casa... 

   


15 comentários:

Dora disse...

O McConaughey não fez filmes da treta. Viste o "Mud" e o "Killer Joe"?

Ganha ele. Ainda não é o ano do DiCaprio.

Marta Moura disse...

Não vi nenhum deles Dora! Mas tenho ideia dele ter feito umas comédias românticas que me tiraram a vontade de vê-lo!

Jules disse...

Eu gostei muito de ver esse filme! :)

Dora disse...

Pois, mas ele já fez muita coisa.

Marta Moura disse...

Acho que me redimi em relação a ele e ele em relação a mim! :) Fui conquistada!

Lulu on the Sky disse...

OLha eu acho que o Matthew leva o Oscar viu? Ainda não vi os filmes, mas a critica elogiou demais a atuação dele.
Big Beijos
Lulu on the sky

Joaninha Musical disse...

A mim nem o lobo de wall street nem esse de que falas agora me interessam,acho que não iria gostar dessas historias. Aliás,os filmes nomeados não me dizem praticamente nada. Nos de animação gosto do frozen no gelo. Desejo-te um excelente domingo amiga!! Muitos beijinhos,fica com deus e até breve!! http://musiquinhasdajoaninha.blogspot.pt

Caxaxanna disse...

Eu como "echelon" só fui ver mesmo o clube de dallas, porque o jared entrou, mas devo dizer que adorei imenso o filme, a história, gostei imenso, talvez uns dos melhores filmes dramaticos que ja vi!
beijinhos
http://something-over.blogspot.com/

Emma disse...

Não tenho vontade de ver o filme do DiCaprio mas este quero ver!

Clau disse...

Tenho de ver os dois filmes =P
Confesso que filmes sou uma desgraça, series vejo muito mas os filmes passam-me ao lado.

Beijinhos e boa semana***

Maria disse...

Apesar de não ter visto mais nenhum dos outros candidatos a "best actor", não sei, mas continuo a achar que faltava qualquer coisa na prestação do McConaughey (o que não invalida o facto de ele ter feito uma boa actuação e de o filme ser muito bom). O que eu acho, depois de ter visto este filme (de que gostei muito), é que muito provavelmente irá apenas conseguir arrecadar o oscar para "best supporting actor", porque, sem dúvida, o Jared Leto teve uma participação excelente e o seu talento deveria ser reconhecido.

Por outro lado, duvido que o DiCaprio ganhe o oscar, ainda que não tenha visto o filme dele e, independentemente de todos acharmos que ele merecia e que fez um "papelão", porque simplesmente a Academia não está para aí virada, visto que se não fosse assim, há anos (e uns largos anos) que ele já tinha ganho um oscar (se não mais).

Sarah disse...

Vi este filme na semana passada e gostei bastante!

Beijinho*
http://lovelinessbysarah.blogspot.pt/

Sandra Paiva disse...

Ainda não vi, mas está na minha lista

maria disse...

Excelente filme! E, depois de o ver, também fiquei com a sensação de que o Óscar para melhor actor iria ser uma enorme luta entre McConaughey e DiCaprio...

ohlalali disse...

Sempre associei o M McConaughey a filme tontinhos, mas ganhei simpatia por ele depois de o ver numa entrevista com a Oprah. Pareceu-me uma pessoa muito terra a terra, com grande coracao. Foi com este filme que o passei a levar a serio enquanto actor, e a serie True Detective comprova e reforca ainda mais essa certeza.
Gosto muito do Leo mas acho que o McConaughey merece o oscar por este papel (nao por carreira).