.backtotop { position: fixed; bottom: 20px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ } .backtotop:hover { background-color: #333333; /* color of background on hover over */ color: #ffffff; /* color of text on hover over */ text-decoration: none; /* no underline */ bottom: 10px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ padding: 10px; /* add space around the text */ } -->

20/09/2014

| Querido diário: |






Não é original mas era assim que começava sempre a escrever no meu diário. Deve ter sido pelos 12 anos que comecei a escrever e fi-lo durante muitos anos, com alguns interregnos.
Nas férias descobri, em casa dos meus pais, o diário que escrevi entre 27.01.1997 e 19.04.2001, dividido em 5 volumes, e não consegui descansar enquanto não o li de fio a pavio. Foi engraçado porque esta descoberta me fez sentir uma miúda, já que aproveitei todos os momentos livres para, 'às escondidas', ir ler este tesouro.
Ri muito, chorei, recordei momentos que já se tinham apagado e apercebi-me de que muitas das minhas memórias eram distorcidas, a forma como as recordava não correspondiam à forma como tinham acontecido.
Fiquei bastante surpreendida porque já naquela idade questionava muito (como continua a suceder) e (com orgulho) posso afirmar que sou muito daquilo que era: os meus sonhos e atitude perante a vida continuam os mesmos. De resto, ler algo que escrevi há tantos anos é um exercício de auto-conhecimento avassalador, muito mágico.
Fiquei com vontade voltar a passar pelo mesmo, o que me obriga a retomar a escrita de um diário. Adoro descobertas felizes...  


4 comentários:

Sandra Marques de Paiva disse...

É tão engraçado ler algo que escrevemos há tantos anos. Eu também guardo os meus e volta e meia vou ler :)

lettersfromneftis disse...

Este fim-de-semana encontrei um excerto de um diário que tive a alguns anos, não tinha mais de 10 páginas, ainda não o li. :) Beijinho

Cabanas disse...

è fantástico reviver bons momentos...

Uma Mae Atarefada disse...

Eu acredito que é mesmo nas pequenas coisas que encontramos verdadeira felicidade. Eu também tenho alguns diários de quando era pré-adolescente e acho imensa graça quando os leio =) é bom avivar a memória!!