.backtotop { position: fixed; bottom: 20px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ } .backtotop:hover { background-color: #333333; /* color of background on hover over */ color: #ffffff; /* color of text on hover over */ text-decoration: none; /* no underline */ bottom: 10px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ padding: 10px; /* add space around the text */ } -->

31/07/2014

| Revitalift Magic Blur da L'Oréal |






Enquanto youzzer™, recebi este novo creme para experimentar, adequado para peles a partir dos 40 anos (ainda não estou lá mas falta-me muito pouco, pelo que posso usá-lo, certo?).
A L’Oréal define-o como o 1.º creme anti idade instantâneo, devido à conjugação de uma tecnologia de micro alisamento com Pro-Retinol, que tem um efeito antirrugas.
Assim, segundo a marca, a aplicação do Magic Blur esbate de imediato a aparência de linhas, rugas e poros (ou seja, funciona como um primer) e, ao final de um mês, a pele está mais firme, com menos rugas, e o seu tom é mais uniforme.
Estando a usá-lo há apenas uma semana ainda não me posso pronunciar sobre o seu efeito antirrugas. No entanto, estou muito contente com o mesmo: de facto, as imperfeições são dissimuladas, o brilho desaparece e a pele do rosto fica com um aspeto suave e harmonizado. Por isso, aconselho as meninas que têm necessidade de combater as rugas a experimentar. Uma dica: se forem ao site da L’Oréal podem pedir amostras.


29/07/2014

| Uma parede de pratos |


Se há ideia de decoração que me enche as medidas é a da parede de pratos: uma solução simples e bastante económica que transforma uma parede nua num cantinho original e muito bonito. Cá em casa já sei onde vou criar a minha – na cozinha – mas tenho vindo sucessivamente a adiar a passagem da teoria à prática (preguiça, a quanto obrigas!).
Quando me decidir a fazê-lo (a ver se arranjo motivação para a ter pronta antes do inverno), a minha parede não vai ser muito diferente disto:




De cima para baixo, da esquerda para a direita: Zara Home (5,99 €); A loja do gato preto (3,95 €); Zara Home (5,99 €); A loja do gato preto (3,95 €); Loja Querido (9,90 €); Zara Home (4,99 €); Zara Home (5,99 €); Frédérique Bertrand para a Vista Alegre (65 €).


27/07/2014

| Lisboa menina e moça (1) |


Gosto muito de Lisboa: da arquitetura, da diversidade de pessoas, das mil e uma ofertas culturais, do azul do céu, da animação nas ruas. E cada vez que lá vou a cidade está mais crescida, mais urbana, com mais coisas a acontecer, o que me obriga a exercícios de contenção para não me largar a fazer tudo e a comprar que nem uma desalmada (e olhem que é difícil já que as lojas estão irresistíveis, lindas e com um bom gosto difícil de ultrapassar).  
Embora já conheça bastante bem a cidade, continuo a deixar-me deslumbrar e a sentir-me uma turista. As fotos que aqui publico são disso resultado. Espero que gostem!

















25/07/2014

| Outono em tons de cinza |


Andei a espreitar os sapatos das novas coleções nas lojas do costume e não houve nada que me chamasse verdadeiramente a atenção, exceto os meninos aí em baixo.
Dois modelos muito diferentes, mas ambos ansiosos para virem parar a estes pezinhos de princesa. 
Isso é que era! 



23/07/2014

| Man! I feel like a woman |


Assim que vi este vestido, que é a minha cara, pensei que tinha de trazê-lo, ainda que fosse arriscado. E isso porque o comprei numa loja de 2.ª mão em Londres, onde não havia provadores. Como? Eu explico: a loja em questão pertence a uma associação de apoio a famílias carenciadas, sendo que os produtos à venda foram doados (bem interessante o conceito). O único problema (além de não aceitarem notas de 50 libras, pelo que me valeu estar acompanhada de pessoas com dinheiro trocado) é o facto de na loja não existirem provadores. No entanto, e visto que os preços são verdadeiramente low cost, decidi arriscar, e ainda bem que o fiz, caso contrário iria ficar a matutar naquele vestido que era a minha cara.
Não é lindo?

















Vestido Mina UK, sandálias Calvin Klein, mala Hampton


21/07/2014

| Uma visita à Kiehl's |



Aproveitando o facto de estar por Lisboa, não podia deixar passar a oportunidade, pelo que dei um salto à loja do Chiado para fazer uma análise de pele, totalmente gratuita.
Fui atendida pela muito simpática Luísa que, parecendo uma enciclopédia ambulante sobre cremes,  me explicou tudinho sobre o estado da minha pele e sobre o que ela, atualmente, necessita.
A Kiehl’s está para as maluquinhas por cremes (guilty!) como a Disneyland está para as crianças; por isso não é de estranhar que tenha adorado o tempo que lá passei, a admirar os vários produtos e com vontade de trazer tudo para casa. Não trouxe tudo, mas trouxe várias amostras para fazer um tratamento específico adequado às necessidades da minha pele, que tenciono iniciar esta semana. Não se preocupem que depois explico tudinho, nomeadamente os resultados, ok?
Me aguardem (com sotaque brasileiro)!


















19/07/2014

| Três sítios onde comer em Lisboa |




A Padaria Portuguesa

Já são mais de 20 lojas em Lisboa, que surgiram da parceria de dois primos, um deles o Gato Fedorento José Diogo Quintela.
Eu estive na do Chiado e gostei muito do espaço, mas ainda mais dos produtos. Aconselho para ir tomar o pequeno-almoço, para comer uma tarte deliciosa ou para comprar pão (muito bom, por sinal).








Empadaria do Chef

Agrada-me muito a ideia da comida dos chefs poder chegar a toda a gente. Essa é a ideia base da Empadaria do Chef, do José Avillez, que seria perfeita se a comida (e as empadas, sobretudo) fossem de babar. No entanto, e não sendo más, podiam ser bastante melhores.
O que mais gostei foi do espaço (estive na empadaria dos Armazéns do Chiado), que é lindo, a fazer lembrar aquelas mercearias de bairro do tempo dos nossos avós, mas com cores candy muito apelativas. Deu-me logo vontade de lá entrar. E depois tem detalhes muito inteligentes e chamativos.
Um local para ir se o que se pretende é uma refeição rápida e económica. Se o objetivo é comer mesmo bem, então o destino tem de ser outro.







Can The Can

Não comi neste restaurante mas tive oportunidade de o fotografar e, como os olhos também comem, vim de lá deliciada! Um sítio clean onde os enlatados são a estrela, e não só ao nível da decoração: o conceito do restaurante é Canned food goes gourmet, ou seja, os pratos (gourmet e mediterrâneos) são criados a partir de produtos frescos e das melhores conservas nacionais. Bem engraçado, não é?
Pelas críticas que li, na próxima ida a Lisboa tenho mesmo de lá ir almoçar ou jantar: diz quem lá comeu que vale mesmo a pena.
Ainda por cima a localização é excelente (fica no Terreiro do Paço). Se quiserem saber um pouco mais podem ir ao site, muito apelativo e esclarecedor. Só precisam clicar aqui








17/07/2014

| Passatempo produtos H&M: Resultado |





Muitos parabéns Marta!
Envia-me um e-mail com a tua morada e dentro de dias receberás os teus produtinhos! :)


15/07/2014

| Um look candy |


Andava à procura de um sun visor que fosse bonito e barato, e acabei por encontrar um perfeito, leve e com aquela cor suave que é a cara do verão. Depois foi só juntar o vestido florido (tão fresquinho e feminino que não me canso de usá-lo), as sandálias rasas ultra confortáveis e a clutch pau para toda a obra.
Done!








Vestido H&M, sandálias Springfield, clutch Atmosphere e sun visor Stradivarius


12/07/2014

| Por Londres foi assim (Post 2 de 2) |


Londres é uma cidade cinzenta, como toda a gente sabe. Aos períodos encobertos (na maior parte do tempo) sucedem-se momentos de sol e, por vezes, começa a chover como se não houvesse amanhã. É curioso: fez-me lembrar o tempo na Terceira (para quem não sabe vivi lá durante praticamente 8 anos), mas sem aquela humidade estúpida que faz colar a roupa ao corpo e que nos faz querer entrar no duche 5 minutos após termos tomado duche.
Tive real noção de que estamos num mundo verdadeiramente globalizado ao passear pela Oxford Street, já que, tirando uma ou outra exceção, as lojas aí existentes são as mesmas que se encontram no centro de Lisboa. E por falar em lojas, claro que fiz umas compritas (mas não muitas por causa da falta de espaço na mala). Além duma loja de roupa em 2.ª mão onde comprei duas pechinchas (yuupiii!), trouxe umas peças (e umas sandálias e uma mala) da TK Max de Brixton, uma loja de grandes marcas a preços baixos, onde conseguiria passar um dia inteiro a estragar-me. Houvesse dinheiro…
Não visitei museus (aliás, ficou tanto por ver), mas disso tratarei da próxima vez que lá for, o que, parece-me, deverá acontecer ainda este ano. Mal posso esperar! :)