.backtotop { position: fixed; bottom: 20px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ } .backtotop:hover { background-color: #333333; /* color of background on hover over */ color: #ffffff; /* color of text on hover over */ text-decoration: none; /* no underline */ bottom: 10px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ padding: 10px; /* add space around the text */ } -->

29/11/2014

| Duas propostas de cinema fresquinhas |




20,000 days on earth
Realizado por Iain Forsyth e Jane Pollard, este é um documentário misturado com alguma ficção sobre o icónico vocalista dos Nick Cave and the Bad Seeds, um homem interessantíssimo que escreve e canta histórias complexas ao invés de repetir refrões ocos até à exaustão. 
Um exercício quase terapêutico de Cave que diz, em certo momento do documentário, que aquilo que mais o assusta é perder a memória; nunca tinha pensado nisso como um dos meus maiores medos, mas fez todo o sentido assim que o ouvi da boca do cantor: o que somos sem as nossas memórias que, no fundo, são tudo aquilo de que somos feitos?
Sem dúvida, a ver.


Boyhood
O realizador de Antes do Amanhecer, Antes do Anoitecer e Antes da Meia-Noite, Richard Linklater, tem neste filme a sua obra prima, na minha opinião.
O realizador demorou 12 anos a fazê-lo, já que decidiu acompanhar a vida de Ellar Coltrane, que interpreta Mason, entre os seus 6 e os 18 anos. Ou seja, ao invés de ir mudando de atores ao longo da história, Linklater decidiu mantê-los e, para isso, juntavam-se para filmar durante cerca de uma semana em cada ano. Um tiro no escuro e um ato de coragem, porque as coisas podiam ter corrido mal mas, felizmente para nós, não correram.
Boyhood debruça-se sobre temas quotidianos, medos e experiências por que passamos, de uma forma sábia, bonita e convincente.
Patricia Arquette e Ethan Hawke, no papel de pais de Mason, estão maravilhosos.
O-b-r-i-g-a-t-ó-r-i-o!

27/11/2014

| Mixórdia de estações |


Gosto de misturar peças de diferentes estações, neste caso de outono e verão.
No passado fim-de-semana, aproveitei o facto de estar aquele tempo a que gosto de chamar de trovão (nada frio, até abafado) para misturar a camisola de gola alta – uma peça intemporal que uso ano após ano (aliás, tenho camisolas de gola alta de quase todas as cores) – com o kimono, leve e fresco.
Além de gostar do resultado, acho uma medida inteligente para fugir um pouco dos looks invernosos, normalmente menos coloridos e mais pesadões.
Espero que gostem!









Camisola e calças Zara, kimono e botins H&M, cinto Bershka


26/11/2014

| manifesto anti manifestos |


O Rui, um grande amigo meu que é escritor, decidiu começar a fazer os seus próprios livros e vendê-los a quem os quiser comprar.
Os livros são maravilhosos, razão pela qual tinha de falar deles aqui: uma mistura de poesia - mesmo, mesmo boa - e imagens com mensagens que nos levam a pensar e a questionar, num tom irónico-sarcástico que adoro!
Se quiserem saber um pouco mais sobre este projeto espreitem aqui (a partir do minuto 5).

P.S: O e-mail do Rui é ruimailsousa@gmail.com 







24/11/2014

| Estilo em tamanho pequeno |


As mini bags são as novas clutches: chegaram de mansinho e agora estão em todas as lojas e em todos os looks.
Fiz uma seleção de mini bags lindas de morrer (usava um modelito de cada sem pestanejar). Ora vejam:




20/11/2014

| Diz que é uma espécie de hamburguer (quase) gourmet |







O conceito de gourmet está na moda e recomenda-se (digo eu, que tenho no ato de comer um dos grandes prazeres da vida).
Cozinhar algo mais elaborado, sem as pressas do dia-a-dia (mas ainda assim muito simples), pode resultar numa refeição deliciosa e muito económica. 
Esta é do mais fácil que há, e só têm mesmo de investir em boa carne de vaca moída (sim, porque se compram os hamburgueres pré-feitos lá se vai o conceito - e o sabor - gourmet) e num bom requeijão. 
Então é assim:

Ingredientes (para 2):
. 400 gramas de carne de vaca moída
. Molho béchamel
. 1 requeijão
. Mostarda
. Sal e pimenta q.b.
. Oregãos


Preparação:
Tempera-se a carne moída com sal e pimenta e fazem-se 2 hamburgueres, que se devem cozinhar em lume brando. Quando estiverem prontos (o ideal é que estejam dourados por fora mas suculentos por dentro) junta-se o molho béchamel, um pouco de mostarda, sal, pimenta e óregãos q.b.
Colocam-se os hamburgueres no prato e, por cima, uma rodela generosa de requeijão, e rega-se com o molho béchamel.
A acompanhar, um bom vinho e, claro, batatas fritas, de preferência as melhores batatas fritas do mundo, de que já falei aqui.
Bon apétit!


18/11/2014

| Stripes & rain |


Já não bastava o facto de ter de me fotografar como, ainda por cima, a chuva não tem ajudado nada (aliás, anda chata comó caraças).
Estas foram as fotos possíveis de um look que usei há dias:  







Vestido H&M, casaco Partenza, botins Pull & Bear e mala Hampton


17/11/2014

| Um esfoliante a experimentar |


Estou a usar o esfoliante de corpo da linha Sakura, da Rituals, composto de açucar orgânico e flor de cerejeira (suponho que em óleo),  e estou a adorá-lo. 
Ao contrário da maioria deste tipo de produtos, a sua textura não é suave (fez-me lembrar sal), mas a mistura com o óleo faz com que a esfoliação não seja agressiva. 
No fim, o corpo fica tão, mas tão macio... E depois ainda há o cheiro, delicioso, ou não fosse um aroma Rituals.
Passou direitinho para o top dos meus preferidos!








15/11/2014

| Posso sonhar um bocadinho, posso? |


Gosto de colares, pulseiras e brincos, mas são os anéis que me fazem perder a cabeça, pelo que são o que mais acabo por usar.
Andei a ver o que é que os grandes designers andam a criar e escolhi estes modelitos, sóbrios, minimais e de babar. 
Não são para o meu bolso certamente (o mais barato, de Hervé Van Der Straeten, custa 190,65 €, e o mais caro, de Bibi Van Der Velden, custa 3.850 €), mas posso sempre sonhar. E inspirar-me para adquirir modelos parecidos a preços de gente.
Por falar nisso, será que vai demorar muito até me sair o Euromilhões? :)





Imagens: net-a-porter


13/11/2014

| No sábado foi assim |


Foi uma conversa descontraída e divertida (espero eu!) que serviu para esclarecer algumas dúvidas e desconstruir mitos. Falamos sobre tendências, o que usar ou não de acordo com o nosso tipo de corpo, falamos de cores, de street style, de acessórios, o que vestir ou não em determinadas ocasiões, etc., etc.
O que me deixou mais surpreendida foram os homens, que abandonaram os preconceitos, estão cada vez mais interessados e, o melhor de tudo, questionam sem vergonha (aliás, notei que eles estão muito mais à vontade do que nós, mulheres, quando toca a perguntar).
Para as meninas que me pediram que escrevesse um post com dicas sobre imagem, peço-vos que me enviem um mail com dúvidas concretas que tenham, que tentarei responder o melhor que sei. É que os temas são tantos e há tanto a discorrer sobre a matéria que, se fizesse um post sobre tudo isso, vocês nunca mais cá apareciam, tamanha era a seca que iam apanhar. E isso não me parece nada bem!



Aspeto da loja



À direita, eu a explicar algo muito pertinente, de certeza :)



Com os donos da loja, o Ivo e a Silvana


11/11/2014

| Objeto de desejo |




Stilletos fox da

R.E.D. VALENTINO


Ao longo dos anos tenho vindo a embrenhar-me cada vez mais no mundo da moda e dos trapinhos, o que é natural. Não tão natural é a conclusão a que cheguei ao longo deste percurso: somos uns chatos na forma como nos vestimos. Passo a explicar:
O que usamos mostra quem somos, certo? Como diria o outro, estou certa ou estou errada? É, numa primeira análise, o meio pelo qual os outros nos avaliam e tiram conclusões sobre a nossa personalidade ou forma de ser. Então, se somos divertidos ou engraçados, porque é que quase nunca mostramos essa nossa faceta na hora de vestir? Há aqui que ressalvar determinadas pessoas que, estando-se a marimbar para o que os outros pensam (e acho que tudo acaba por se resumir ao receio que sentimos do que possam pensar sobre nós), vestem o que lhes dá na real gana e conseguem ser mesmo divertidos. Excentricidades ou gostos à parte, prefiro ver uma pessoa assim do que uma que, de tão discreta ou insegura que é, se anula ou se esconde com o que usa.
Isto tudo vem a propósito destes sapatinhos que, além de maravilhosos e caros são muito divertidos. Qual de vocês ousaria usar?

07/11/2014

| De se lhe tirar o chapéu |


Há uns anos atrás sentia-me uma ave rara sempre que usava chapéus, considerando os olhos que colavam em mim quando passava.
Com o passar dos anos comecei a ignorar os olhares e, hoje em dia, não é raro ver-me usar chapéu (para além de turbantes, gorros ou boinas, principalmente no inverno) já que é um acessório que acrescenta elegância - ou porque não classe? - a qualquer look.
Como os chapéus estão em alta e quero mesmo comprar um, após uma pesquisa pela net cheguei a estes modelitos que usava sem pestanejar.
Não são lindos?





Imagem à direita: (da maravilhosa) atlantic-pacific.blogspot.pt


05/11/2014

| À conversa sobre a nossa imagem |


A Ydentik Leiria comemora este mês o seu primeiro aniversário e, nesse âmbito, está a organizar um conjunto de palestras relacionadas com beleza.
Assim, é já no próximo sábado que lá vou estar - às 16 horas -, para uma conversa sobre imagem, que pretendo que seja divertida, leve e descontraída, mas que esclareça os vossos maiores receios e dúvidas.
Embora as atividades sejam  gratuitas, têm de se inscrever naquelas a que querem assistir, podendo fazê-lo através do e-mail leiria@ydentik.pt ou pelos telemóveis 913515430 ou 938281458.
Deixo-vos aqui o cartaz completo e espero ver-vos por lá no sábado!




04/11/2014

| Sei lá |


Não, não vou falar do livro da Margarida Rebelo Pinto ou do filme com o mesmo nome. A questão é que não me ocorreu nenhum título para este post e a honestidade é um dos meus pontos fortes. Tão simples quanto isso! :)
Ultimamente não tenho tido ninguém a quem possa recorrer para me fotografar os trapinhos, pelo que me tenho desenrascado sozinha. Não é bem a mesma coisa mas dá para vocês terem uma noção, certo?
Em relação a este look, que usei na semana passada, lá estão presentes uma vez mais as sapatilhas desportivas, que considero um dos must have do momento pelo seu conforto e descontração. Adoro!










Camisa H&M, saia lápis Mango, sapatilhas Berg e clutch Parfois