.backtotop { position: fixed; bottom: 20px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ } .backtotop:hover { background-color: #333333; /* color of background on hover over */ color: #ffffff; /* color of text on hover over */ text-decoration: none; /* no underline */ bottom: 10px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ padding: 10px; /* add space around the text */ } -->

27/01/2017

| Os leitores desempatam |

Tenho feito várias vezes a viagem Leiria - Lisboa via auto-estrada (e vice-versa), o que me leva a ter de pagar e calar passar em portagens várias. 
Este tu cá tu lá com esse serviço fez-me constatar que vários condutores optam por parar nas portagens em que há portageiros, preferindo-as às caixas self-service. Eu própria dei comigo a fazê-lo e, numa dessas viagens, escolhi uma caixa-com-um-ser-humano-agregado, não obstante já lá estivessem dois carros e existissem várias caixas self-service vazias.
Dediquei-me uns minutos a pensar na razão e, porque estou convencida de que a maior parte das pessoas viaja sozinha (o que tenho confirmado nas várias estações de serviço em que páro para o xixi e o café da praxe), concluí que é o facto de se contatar com alguém - uma espécie de pausa na solidão da viagem - que faz com que os condutores optem por esta solução.
Há dias conversava com o meu homem sobre isto, explicando-lhe o meu ponto de vista, e ele disse-me que no caso dele só o fazia quando dava mais jeito, por causa dos trocos ou algo parecido.
Pronto, estragou-me logo a imagem romântica da coisa, a visão do 'nenhum homem é uma ilha', do precisamos uns dos outros para sobreviver.
Arranja uma gaja uma explicação bonita (que, continuo a afirmar, é a razão de ser do meu comportamento) e, em menos de nada nos tiram o tapete do chão (homens, esses seres gélidos!).
Ora, isto levou-me a pensar noutra questão que, penso, não será grande novidade (pelo menos para mim), no sentido de que se comprova que nós, mulheres, somos mais emocionais e sentimentalistas, enquanto eles são mais cerebrais e práticos (não me venham com o argumento de que conhecem homens muito gajas ou mulheres muito cerebrais, que também conheço; estou a falar da regra que, como é sabido, comporta sempre exceções).
Pronto, é aqui que preciso da vossa ajuda, quer já tenham passado pela experiência, quer colocando-se hipoteticamente na situação.
Vence a emoção ou o desenrascanço?

31 comentários:

Olivia disse...

Para mim, é mais o desenrascanço. Só porque já fui a uma caixa dessas self-service e o meu cartão não funcionou e fiquei logo aflita porque não conseguia sair dali.

A mamã vai casar disse...

Para mim é mais por motivos de justiça.
Faz-me confusão esta mania de agora se substituir pessoas por máquinas.
Se há alguém que está a trabalhar e até trabalha bem, porquê estar a retirar-lhe emprego e substituir por uma máquina? Há coisas que bem sei que tem mesmo que ser, mas outras que acho um exagero.

Abanar do ser disse...

Eu francamente prefiro os portageiros independentemente de estarem vazios ou com uma fila enorme. Um pouco por causa da questão que "A mamã vai casar" expôs aqui num dos comentários.

Bjs

Boneca disse...

Eu opto sempre pelas self-service porque existem sempre poucos portageiros, que têm sempre fila, e eu quero é despachar-me. Mas por exemplo na ponte vasco da gama, até me agrada a "coisa" de "falar" com alguém.

As Coisas Dela disse...

Acho que ambas podem vencer, dependendo do dia e do ponto de vista :)

Hellen Henriques disse...

Eu cá não conduzo mas pelo que vejo do meu pai e das minhas amigas acabam sempre por optar self-service por ser mais prático e rápido!

Beijinhos, Hellen ❤
http://instantesimprovaveis.blogspot.pt/

Lápis Roído disse...

Eu lanço para este debate um tópico que não está a ser analisado: a nacionalidade. Acho que não se trata do género, mas da nacionalidade. É evidente que o português desenrasca-se e se puder evitar trabalho desnecessário nem hesita! É aqui que reside o busílis da questão, amiguinha =P

Os olhares da Gracinha! disse...

Gosto do encontro humano e se der...é por aí mesmo! bj
mas... raramente uso a auto estrada!!!

Tulipa Negra disse...

Eu vou para o que tiver menos fila =P

Ana Pinheiro disse...

Prefiro sempre ver as pessoas além do contacto humano, existe também a componente de segurança de saber que está ali alguém do que após de km de estrada chegar a portagem e pagar a uma máquina.
Beijinhos
Ana
http://www.receitasfaceisrapidasesaborosas.pt/

Carla Ramalho disse...

Eu, regra geral, sou pelo desenrascanço. E no caso das portagens ainda vou mais longe, opto pela via verde para não parar e conseguir chegar o mais rápido possível ao destino :D
Beijinhos ...
Blog: Guloso qb

Paula Moreira Santos disse...

Hoje em dia as pessoas evitam o contacto. Vivem tão apressadamente que nem notam nesta "substituição" da máquina pelo Homem. Não censuro, os meus pais também o fazem. E quem sabe se não o irei fazer também. Mas a verdade é que estamos tão rodeados de máquinas que por vezes nem damos conta. Na minha opinião, o facto de nos questionarmos de vez em quando já não torna o cenário tão negro.

Beijinhos,
Paula Moreira Santos

Rute Matos disse...

Nunca tinha analisado a coisa dessa maneira! Mas és capaz de ter razão 😊
E adorei conhecer a (já tão conhecida) personagem caricata da ponte 25 de abril: um senhor que para além do "bom dia" nos brinda com um "que linda que está hoje!" e tesourinhos do género. É impossível não sair dali com um grande sorriso no rosto!! 😊

Anónimo disse...

Babe, como sabes sou uma gaja com muita rodagem, salvo seja, e apesar de considerar as portagens uma roubalheira descarada, sempre que sou obrigada a pagar as taxas de portagem...escolho uma saída com portageiro,e porquê? Porque se só usarmos os automatismos...haverá muito boa gente sem emprego/trabalho:-( uso o mesmo modus operandi relativamente aos tabuleiros usados nas áreas de restauração dos centros comerciais...não arrumo! Se todos arrumarem, alguém ficará sem trabalho...mas claro, isto é apenas o meu ponto de vista...
Saudades
P.

Sara Aguiar disse...

No meu caso optaria mesmo mesmo que tu. Não só por também ser sentimentalista, mas porque não gosto de ver máquinas a substituir o homem, o que resulta em várias pessoas desempregadas.
Quanto à questão do homem ser menos sentimentalista que a mulher, confesso que sou da mesma opinião. Claro que existem exceções para tudo, mas pelo menos os homens que me rodeiam, de sentimentalistas e emocionais não têm grande coisa.

Beijinhos <3

http://un-faux-pas.com

Adriana R. disse...

Eu provavelmente seria mais pelo desenrascanço!
The Fancy Cats | KAWAII BOX Giveaway

Madalena Santos disse...

Como tenho via verde, acabo por optar pela faixa correspondente . Quando começaram a substituir os postos de trabalho pelas máquinas fiquei revoltada . O ser humano é insubstituível, pelo menos devia ser. É esta a minha visão . Beijinhos

Isa Sá disse...

Acho que nunca usei uma caixa dessas...
Bom fim de semana!


Isabel Sá
Brilhos da Moda

Elisabete disse...

Eu cá prefiro lidar com pessoas. Já paguei a autoestrada através da máquina, mas se acontecesse alguma coisa, entrava logo em pânico, porque eu e as informáticas não nos damos bem...
Bjs

Elsa disse...

Eu também acho que é por conveniência, as pessoas têm medo que a máquina lhe falhe e fiquem ali às aranhas... Claro que há sempre uma ou excepção!

Cristina Paradela disse...

Pessoalmente raras são as vezes que tenho de usar portagens mas no itinerário que já fiz há ida a portagem tem portageiro mas na vinda são automáticas e no início carregava sempre no botão das informações.. Por isso por mim prefiro com portageiro e sempre se fala com alguém!
Beijinhos
Beleza De Mulher e Mãe
Facebook
Instagram

Mariana Dezolt disse...

Aqui onde vivo não temos muito portagens, é mais scouts mas das poucas vezes que parei numa optei pela "máquina". Não sei, nunca tinha parado para pensar sobre isso, mas talvez tenhas razão ahah
Kiss, Mariana Dezolt
Messy Hair, Don’t Care

Ana Bessa disse...

Uma junção das duas mas acho que desenrascanço acaba por dominar :P

L-ucia disse...

Não há máquina nenhuma que substitua o homem!

Anita disse...

Eu penso que seja pelo desenrascanço... há pessoas que não sabem e preferem não arriscar (na maior parte é claro)
Beijinhos*

Diamante Turquesa disse...

Mesmo se houver máquinas, necessitará do homem por trás de tudo aquilo.

Blog Diamante Turquesa
Instagram

Simple Girl disse...

Eu costumo recorrer sempre à via verde

Nuno Carloto disse...

Utilizo Via Verde, se não estiver operacional, escolho a caixa com menos fila! Keep it simple!

Ana Freire disse...

Hum! Regra geral... desenrascanço!... :-P
Beijinhos
Ana

m-M disse...

Concordo contigo...
Mas sei que o meu Rapaz responderia o mesmo que o teu... ;)

Avelã disse...

Penso que seja um misto das duas! Confesso nunca me ter ocorrido essa tua explicação bonitinha...
Penso também que é possível haver ainda mais uma razão (embora um pouco inserida no desenrascanço): a falta de confiança portuguesa em máquinas (ou a falta de confiança inspirada pelas máquinas portuguesas :P). É mais fácil recorrer a alguém para pagar do que ir a uma máquina sem saber se nos vai comer moedas ou se recebe notas facilmente, e ainda por cima há gente que não lida muito bem com tecnologias do género :)