.backtotop { position: fixed; bottom: 20px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ } .backtotop:hover { background-color: #333333; /* color of background on hover over */ color: #ffffff; /* color of text on hover over */ text-decoration: none; /* no underline */ bottom: 10px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ padding: 10px; /* add space around the text */ } -->

26/04/2017

| Duas propostas de cinema |


Estes foram os dois últimos filmes que vi, ambos fortes e intensos, com um denominador comum: as dificuldades económicas por que passam tantas e tantas pessoas, não obstante as realidades tão díspares em que vivem.
Vamos conhecer um bocadinho da sua história: 


I, Daniel Blake (de Ken Loach, 2016)
Após sofrer um ataque cardíaco, Daniel Blake, um viúvo de 59 anos, pára de trabalhar por indicação médica. No entanto, quando tenta receber os benefícios do Estado que lhe permitam sobreviver, vê-se enredado numa espiral burocrática, injusta e completamente anedótica, no mau sentido.
Este filme é um abanão na nossa apatia, um murro no estômago, uma daquelas histórias que nos leva a pensar que raio de sociedade é a nossa. 
Embora a ação se passe no Reino Unido, algo de semelhante podia acontecer em praticamente qualquer parte do mundo, e Ken Loach denuncia os abusos de um Estado cínico e abusador.
Mas o filme não é só isto: é também ternurento, emotivo e muito humano, que nos leva a acreditar que, independentemente das dificuldades, existirão sempre bons corações prontos a ajudar.
Foi Palma de Ouro na edição de 2016 do Festival de Cinema de Cannes e é obrigatório: além do conteúdo, Dave Johns, no papel de Daniel, é pura magia. 

São Jorge (de Marco Martins, 2016)
Sou fã da dupla Marco Martins/Nuno Lopes desde Alice, e ela continua a funcionar.
Este é um filme sobre Jorge, um desempregado que pratica boxe, que vive na casa do pai nos tempos em que a troika esteve em Portugal e que tenta arranjar dinheiro para conseguir sustentar o filho e a mãe do filho, com quem gostaria de viver. São estes os motivos que o levam a trabalhar para uma empresa de cobranças difíceis, embora não tenha o mínimo perfil para tal.
É uma história dura, que mistura atores e não-atores, e decorre nos bairros da Bela Vista (Setúbal) e Jamaica (Seixal).
Nuno Lopes é o sofrido Jorge e a sua interpretação valeu-lhe o prémio Orizzonti para Melhor Ator no Festival de Veneza. O mais curioso é que a sua personagem fala muito pouco, mas as suas expressões conseguem transmitir o que lhe vai lá dentro e isso, para mim, é o que o distingue como um grande ator. O melhor que temos, na minha opinião.

7 comentários:

24eumcarrapito disse...

Tenho muita curiosidade acerca do filme "São Jorge". Vi algumas entrevistas do ator, sobre o filme e a preparação que ele teve foi algo de surreal, só mesmo uma pessoa com muita entrega o conseguiria... estou ainda mais curiosa agora :)
Beijinhos 24eumcarrapito

http://24eumcarrapito.blogspot.pt/

Thayse Stein disse...

Nossa, nunca tinha ouvido falar nesses filmes, mas fiquei bem curiosa pra assistir ambos! Obrigada por compartilhar :)


Beijos
Brilho de Aluguel

Janny disse...

ando a querer ver o São Jorge!

A mamã vai casar disse...

Aumentou ainda mais a minha curiosidade com o "São Jorge"

Rui Pires - Olhar d'Ouro disse...

Talvez para uma próxima mas interessantes sugestões!
bj

Kati Antunes disse...

Já vi o I Daniel Blake, gostei imenso :) e tem um final inesperado
beijinho, Kati

www.katiantunes.com

Ana Freire disse...

De facto dois filmes, com histórias fortes que adoraria ver!
Mais duas belas sugestões por aqui, Marta!
Bjs
Ana