.backtotop { position: fixed; bottom: 20px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ } .backtotop:hover { background-color: #333333; /* color of background on hover over */ color: #ffffff; /* color of text on hover over */ text-decoration: none; /* no underline */ bottom: 10px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ padding: 10px; /* add space around the text */ } .jump-link { text-align:right; } .jump-link a { text-align:right; font-size:15px; padding:10px; border: 1px solid #000; background-color:#ccc; color:#000; font-weight:bold; } -->

13/12/2019

| Mais um passeio, mais uma voltinha |


Já devem ter percebido que adoro descobrir o nosso país e, há uns dias, fiquei a conhecer a pequena e acolhedora vila de Palmela, que fica nem a 1 hora de caminho de Lisboa.

10/12/2019

| Super strong |


Isto da idade tem muito que se lhe diga, particularmente em assuntos tão importantes como o peso. 
Tento ter uma alimentação equilibrada (com várias facadonas facadinhas, é certo, mas uma pessoa tem de sentir que não anda só aqui a existir), mas já compreendi que sem exercício nada feito, que os quarentas trouxeram com eles uma condição de inchamento inequívoco associada.

06/12/2019

| Nós, os europeus |


Há uns dias eu e o homem fomos ver o concerto que a banda brasileira O Terno deu em Lisboa (foi lindo, maravilhoso, mas não é sobre isso que quero falar).
No final do concerto acabámos por conhecer umas miúdas brasileiras, na casa dos 25 ou perto, que estão a viver no nosso país.
Falamos de música, da insegurança vivida no país irmão, de trivialidades, de Bolsonaro, de esperança também.

03/12/2019

| Das peças sem tempo |


Na minha opinião, um casaco de pele (falsa, s.f.f.) é um daqueles básicos imprescindíveis. Embora já tenha um na mesma cor, a verdade é que ele está a começar a 'desfazer-se' e, por isso, está na hora de substituí-lo.
Acabei por escolher um modelo que sai um pouco da minha zona de conforto, por ser mais curto do que o normal mas, por vezes, temos de arriscar um bocadito, certo?

27/11/2019

| Letter to a friend |


Querida S.:

Dizem que à terceira é de vez e, depois das mensagens que te enviei sem ter obtido resposta, venho fazer uma derradeira tentativa de te chamar à razão, porque acredito que uma ninharia não deve assombrar uma amizade, especialmente se tão bonita e genuína quanto a nossa.
Penso, minha querida S., que te sentes envergonhada, e que será essa a principal razão pela qual me tens ignorado. Sei que preferias que as coisas não tivessem acontecido assim, sei que preferias que te tivesse visto feliz, com o teu sorriso gigante e sincero.
Mas sabes que mais?

22/11/2019

| Objeto(s) de desejo |


Suspiros, muitos suspiros por todos e cada um destes meninos.
São da Zara e tenho esperança de encontrá-los a preços mais simpáticos na Black Friday (anotem na agenda, é na próxima 6.ª feira, dia 29).

18/11/2019

| Olha para o que eu faço, não olhes para o que não digo |


Tenho por princípio viver o dia-a-dia, muito dentro do espírito carpe diem
A verdade é que, exceto naquelas situações em que isso é impossível, não faço grandes planos para o futuro (a experiência diz-me que saem quase todos furados) e não gosto de antecipar situações ou emoções porque, diz-me a experiência também, há uma grande probabilidade de estar a sofrer ou a preocupar-me desnecessariamente, já que, na maior parte dos casos, as coisas não vão correr como esperávamos ou acabam por não acontecer de todo.
Por outro lado, não gosto de frases feitas nem clichés, tendo perfeita noção de que, por vezes, não é possível fugir-lhes, tal a identidade com a realidade. Essa minha aversão à frase feita leva-me sempre a desconfiar do conceito de coaching, que tendo a equiparar um pouco ao conceito de seita, tipo IURD. Medooooo, muito medo (significa isto que não obstante pratique o carpe diem, nunca me verão a utilizar essa expressão para me definir numa qualquer rede social, como estou farta de ver, e que me leva a fugir a sete pés sempre que isso sucede comigo; medooooo, muito medo).