.backtotop { position: fixed; bottom: 20px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ } .backtotop:hover { background-color: #333333; /* color of background on hover over */ color: #ffffff; /* color of text on hover over */ text-decoration: none; /* no underline */ bottom: 10px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ padding: 10px; /* add space around the text */ } -->

04/05/2017

| Crónicas da vida airada (ou não) #25 - Parte 2 de 2 |

Ainda se lembram do testamento do Gonçalo?
Não é fácil esquecê-lo (não obrigatoriamente pelos melhores motivos), mas as vossas cabecinhas têm mais com que se ocupar, não é? Podem fazer um refresh aqui.
Pois que vos pedi contributos para a análise da personalidade do autor, a partir do que ele escreveu, e tenho a dizer que vocês não são nada meigas (utilizo o feminino porque foram quase só meninas a comentar, que desconfio que os homens são mais brandos do que nós, nomeadamente com os seus pares).
Acho eu que às vezes sou mazinha - sempre com fundamento, que não sou de falar sem conhecimento de causa (o possível 😐) - e vêm vocês e pimba, é cada farpa que me faz parecer uma aragem suave num dia de verão.
A maior parte de vós achou que o Gonzo é chato e aborrecido, uma espécie de cliché ambulante com muito nada dentro. Mas há quem tenha ido mais além e referido ainda que ele é narcísico e até virgem (não é menina Marta?).
Na generalidade concordo com as vossas apreciações, mas tenho algo mais a dizer.
Parece-me, desde logo, que o Gonçalo tem um grave problema de sintetização. Aposto que era daqueles que, quando a professora primária lhe mandava fazer um resumo de um qualquer texto acabava por apresentar uma redação duas ou três vezes maior. Resumir não é algo que lhe assista.
Depois, das duas uma: ou tem problemas de compreensão ou acha que os outros têm (e isso não augura nada de bom). Por exemplo, para comprovar a teoria que desenvolve sobre a singularidade das pessoas, o rapaz diz que Cada onda vista como um individual é diferente das outras. Desde da sua formação, até ao percurso realizado, onde chega a zona de rebentamento, cada onda é diferente da outra.
Ora, bastava-lhe dizer que cada onda é diferente das outras para que nós, que já vimos ondas, percebessemos o que ele quer dizer. Certo? 
Errado, pelo menos para o Gonçalo, que tem necessidade de clarificar que o processo de vida de uma onda passa pela sua formação, pelo percurso que realiza e, finalmente, pela rebentação. A sério??
Oh Gonzo, o que seria das nossas reles vidas sem génios como tu, uma espécie de manual de instruções clarificador de conceitos e ideias óbvias, ah?
Depois, o moço é preconceituoso, tendo um problema com pessoas com profissões ditas normais, como o Zé Miguel, o mecânico da zona. Segundo ele, ninguém quer saber da vida do Zé Miguel porque aquele é um zé ninguém, um simples habilidoso que não traz nada de glorificante ao mundo.
Menino Gonçalo, sabes lá se o Zé Miguel, que tu desprezas, é autor de uma obra grandiosa e complexa e nunca a mostrou ao mundo porque é tímido ou não tem a confiança necessária? Ou não tem os conhecimentos certos que lhe permitam singrar? 
Custa-me ver as pessoas desvalorizarem as qualidades dos outros sem saberem do que estão a falar e o Gonzo está a esticar a corda, já me estou a irritar!
Depois de todo aquele palavreado sobre as suas dúvidas mais prementes, o existencialista Gonçalo termina com um E tu? Quem és tu?, como que a dizer: atenção que no meio de tanta conversa sobre mim há espaço para falarmos um pouco sobre ti (mas não te alongues porque falarmos sobre mim é muito mais interessante, tá?).
Digo-te apenas, Çalito, que sou a mulher que escreve sobre ti, se calhar a única que te dedica tantas palavras e que te dá a visibilidade por que tanto buscas e anseias.
Não, não quero rosas nem bombons, que não sou uma gaja materialista. Basta um obrigado sentido e o assunto fica arrumado.

13 comentários:

Ms. Telita disse...

O Gonçalo é, no mínimo, um tipo desinteressante.


Ms. Telita | Telita LifeStyleFacebookinstagramTwitter

receitas no blog

inestcastro disse...

Todos nós somos muito mais do que o que a sociedade proteja. Ninguém conhece ninguém, as vezes nem a nós próprios conhecemos.

Lápis Roído disse...

Era tão mais fixe se o Gonçalo, no auge do seu narcisismo, inventasse um jogo dedicado a si mesmo. O "Tiro ao Gonzo com uma Glock", por exemplo =P

O Conto da Amanda disse...

Olá, tudo bem?
Nós seres humano acabamos sempr julgando mesmo não conhecendo com clareza as pessoas, por isso pelo que escreveu deduzimos como seria Gonçalo.
Beijos
http://amandastale.blogspot.com

Chic' Ana disse...

Eu quero pensar que o Gonçalo não é realmente como aparece descrito..
Beijinhos

Marisa Raquel Fonseca disse...

Pessoa assim "pequenina" é o que é! xx
Coco and Jeans by Marisa x My Instagram x My Bloglovin

Os olhares da Gracinha! disse...

é "arrumar" o assunto Marta!bj

Camila Faria disse...

Só conhecendo o Gonçalo para acreditar nessa peça Marta... francamante. Hahaha!

Elsa disse...

Já venho um pouco tarde, mas para mim o Gonçalo, é um "lugar comum", aquele tipo de homem de muito paleio, apaixonado por si próprio, que adora o som da sua própria voz e acaba por não ter nada profundo nele a não ser o egoísmo. Para além de pretensioso e narcisista, é alguém muito pouco aliciante para se conhecer e conviver.

Elisabete disse...

Sem papas na língua!
Bjs

Nana Flor disse...

Oie amore .... obrigado pelo seu carinho em meu cantinho .... tenha um lindo fim de semana ...
Deus te abençõe em td que fizer.

Cleber Eldridge disse...

Shiii, acho que me perdi, não sei quem o Gonçalo.

http://clebereldridge.blogspot.com.br/

Ana Freire disse...

E o Gonçalo... até poderá ser muito diferente do que afirma... para cativar, quem passa...
Enfim... só as nossas acções, mostram quem realmente somos...
Beijinhos
Ana