.backtotop { position: fixed; bottom: 20px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ } .backtotop:hover { background-color: #333333; /* color of background on hover over */ color: #ffffff; /* color of text on hover over */ text-decoration: none; /* no underline */ bottom: 10px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ padding: 10px; /* add space around the text */ } -->

31/01/2016

| Objeto de desejo |

Nunca experimentei nem sequer os cheirei, mas as embalagens deste creme de mãos da linha Sweet Lotus, da Accessorize (em tamanho flight-friendly, de 30 ml cada) são divinas-com-um-toque-vintage-que-adoro.
O conjunto de três custa 9,90€.

29/01/2016

| Maratona a caminho dos Oscares (1) |


Até à noite dos Oscares, que vai acontecer a 28 de fevereiro, ando a papar filmes em dose extra. Já há uns três anos que sigo a cerimónia em direto e este ano não vai ser exceção. Claro que no dia seguinte ando tipo zombie, depois de 3 horitas de sono, mas a paixão pelo cinema a isso obriga. Nada de grave! :)
Então vamos a eles:

The Danish Girl, de Tom Hooper, baseia-se na história verídica de Einar, um pintor que sente ter nascido no corpo errado, tendo sido a primeira pessoa a submeter-se a uma operação de mudança de sexo.
Eddie Redmayne é Einar/Lili, nomeado, sem surpresas, para melhor ator. Este ano estou convencida de que é o DiCaprio que leva o Oscar para casa, mas Redmayne é um candidato fortíssimo.
Alicia Vikander, que interpreta o papel de Gerda, esposa de Einar, foi uma belíssima surpresa: não conhecia a atriz e vi este filme antes de terem saído as nomeações, mas fiz figas para ela estar no rol das nomeadas a melhor atriz secundária. Feliz e muito justamente está!
É um filme sobre pessoas corajosas e muito bonitas; a relação entre Einar/Lili e Gerda é uma grande lição de amor, que muita gente devia apreender e praticar.

The Big Short, de Adam McKay, está nomeado para melhor filme e retrata a história (verídica, também) de 4 homens (geniozinhos, diga-se) que anteciparam o colapso global da economia dos EUA - o que veio a suceder em 2008 - e apostaram na crise imobiliária para lucrar com a tragédia que veio a acontecer. 
Este filme podia chamar-se de Economia para totós, já que os termos técnicos nos são explicados por personalidades conhecidas que nada têm a ver com o filme, como o meu querido Anthony Bourdain. É um filme rápido e leve, não obstante o tema. 
Christian Bale está nomeado para melhor ator secundário, na minha opinião muito bem. Na sua primeira aparição no filme não o reconheci à primeira e perguntei-me logo 'mas quem é este gajo?'.

The Revenant, de um dos meus realizadores preferidos - Alejandro Gonzaléz Iñarritu - está nomeado para 12 Oscares, nomeadamente de melhor filme, realizador, ator e ator secundário, e estou convencida de que vai ganhar muitas das estatuetas para o qual foi indicado. 
Uma história - também baseada em factos verídicos - de sobrevivência, força e coragem anormais de um lutador (Leonardo DiCaprio está divino), o que me levou a perguntar, várias vezes, 'como é que este homem ainda está vivo?'.
Note-se que Iñarritu decidiu que este filme iria ser integralmente filmado com luz natural, o que é tanto de louvar como de loucos!
Tenho muita pena de não o ter visto no cinema, porque ele merecia. 
Um grande filme, seguramente dos melhores de 2015. 

27/01/2016

| Em modo relax |

Embora já esteja a viver em Leiria há pouco mais de 4 anos, a verdade é que não conheço muito dos locais que a rodeiam. E isto tem uma explicação muito simples: estando relativamente perto do mar, sempre que tenho algum dia livre é para perto dele que gosto de me escapulir.
Sábado foi dia de quebrar essa rotina e ir conhecer uma freguesia vizinha, Cortes de seu nome.
E que bem que soube passear no meio do verde e respirar ar puro e fresquinho. E estar à conversa com um daqueles velhinhos da terra que nos explicou que as maçãs vendidas nas grandes superfícies são enceradas para manterem o brilho (!?!!). E que ainda nos ofereceu, colhidos ali na hora, meia dúzia de limões que, surpresa (not!), tinham um cheiro delicioso.
Como é boa a vida no campo! :)   










Camisa Zara, camisolas H&M (amarela) e Springfield (verde), jeans Tally Weijl, botins La Redoute, saco Springfield, boina Promod

25/01/2016

| Assado de tomate & queijo feta |



Apetecia-me cozinhar algo novo, não muito calórico, fresco e saboroso, e acabei por encontrar a receita perfeita no site do Jamie Oliver. 
Este assado não tradicional acabou por entrar para a minha lista (mental) de pratos favoritos porque, além de ser facílimo de preparar (o que, para uma preguiçosa para cozinhar como eu, é ouro sobre azul), é absolutamente delicioso, o que me levou a questionar como é que algo tão simples pode ser tão bom. Mas é mesmo, experimentem e depois digam-me se não estou cheia de razão!
Então aqui vai (para 2 pessoas):

Ingredientes:
125 gr. de queijo feta
250 gr. de tomates (dos normais e tomates cherry)
100 gr. de pão rústico (tipo pão de Mafra, alentejano ou pão da avó)
Uma mão cheia de azeitonas pretas
Manjericão fresco (ou rúcula)
Azeite e vinagre
Sal grosso, pimenta, alho em pó e óregãos

Preparação:
Antes de mais aquece-se o forno a 180 graus.
Numa assadeira colocam-se os tomates, cortados em quartos, o pão, cortado em pedaços, e o queijo, cortado em cubos. Juntam-se os tomates cherry e as azeitonas.
Tempera-se com azeite (mais do que um fio, para o pão o absorver, mas sem encharcar, para não ficar enjoativo), um pouco de vinagre, sal grosso, pimenta, alho em pó e, finalmente, óregãos em abundância.
Mistura-se tudo (eu fi-lo com as mãos, para misturar bem os ingredientes todos) e leva-se ao forno durante cerca de 30 minutos (ou até o queijo começar a ficar dourado nas extremidades).
Retira-se do forno, acrescenta-se o manjericão e está pronto a servir (como não encontrei manjericão fresco no supermercado substituí-o por rúcula e está aprovado).
Bon apétit!

23/01/2016

| Saldos de última hora |

Embora a nossa tendência seja ir a correr para as lojas assim que começam os saldos, o facto é que ainda se conseguem encontrar pechinchas boas quando eles se aproximam do fim.
As peças que escolhi para este post estão disponíveis na loja online da H&M - que mantém promoções até ao dia 2 de fevereiro - e, tenho a dizer-vos, no meio de muita oferta menos interessante (algumas coisas não interessam ao menino Jesus) encontram-se coisas mesmo, mesmo giras, como as que estão aí em baixo. 
Trazia tudinho para casa!
 

21/01/2016

| Frozen moments |

Acho que sempre gostei de fotografia. A ideia de eternizar momentos num pedaço de papel fascina-me (eerr, estou a apresentar a versão romântica da coisa, já que agora os momentos ficam eternizados num qualquer pc, tablet ou smart phone).
Desde que tenho o blog que esta paixão disparou (é ver-me muitas vezes com a máquina às costas, especialmente quando viajo, em que me transformo numa verdadeira turista ocidental). E a falta de formação (tive um workshop de 2 dias mas isso quase não conta) é substituída pela intuição e pela minha forma de olhar para as coisas.
Decidi partilhar algumas fotos que fui tirando por aqui e por ali (tenho muitas mais, mas não cabiam cá todas) e, por adorar fotos a preto e branco, foi esse o registo que escolhi.
Hope you like it!










E por falar em fotos, já me seguem no Instagram?
Podem fazê-lo em @fashionoirblog

19/01/2016

| Casaco à prova de t-shirt |

Depois de dias de chuva interminável, sábado amanheceu solarengo, a fazer lembrar um dia de Primavera, não fosse o frio a provar-me que afinal não, ainda temos um período longo de Inverno pela frente (quer dizer, estou para aqui a queixar-me mas, tenho de reconhecer, o Inverno este ano tem sido muito suave, não me lembro de temperaturas tão amenas nesta altura do ano)!
Para manter o espírito primaveril decidi vestir-me de branco (já sabem que adoro), e complementei o look com o casaco de pêlo que comprei já há uns anos nos saldos, um daqueles achados irrecusáveis, quentinho e confortável em igual medida. E tãããoo fofinhoooo... 







T-shirt H&M, calças Blanco, casaco Tally Weijl, 
botas Stradivarius e mala Bershka

16/01/2016

| Produtos de rosto Estée Lauder |

Há dias conversava com uma amiga sobre a importância que os cremes têm na nossa vida e, felizmente, são tão importantes para ela como para mim.
Dizia-me ela que podia não comprar roupa, mas cremes não lhe podem faltar. E é muito bom ter amigas em absoluta sintonia nesta matéria, que compreendem perfeitamente porque é que os cremes são tão indispensáveis. Para mim, um bem de primeira necessidade!
E o que é que é melhor do que cremes?
Cremes dos bons, como estes da Estée Lauder de que vos falo já de seguida.
O New Dimension é um sérum para todo o tipo de peles que promete redefinir os contornos, preencher as linhas e tornar a pele mais radiosa de imediato. A sua textura é leve e é rapidamente absorvido pela pele.
Além do cheiro, agradou-me principalmente o facto da pele ficar com um aspeto descansado logo após a aplicação.  
O Perfectly Clean, também para todos os tipos de pele, é um produto concentrado para limpar o rosto com água, que se transforma numa espuma/creme. 
Entrou para o topo da lista dos meus produtos de limpeza preferidos porque, além de ter um cheiro divino, limpa a pele em profundidade e deixa-a muitíssimo sedosa, de uma forma como nunca tinha sentido com qualquer outro produto de limpeza.
O melhor de tudo é que pode ainda ser usado como uma máscara purificante, deixando-se atuar durante 3 minutos. 
O grande contra destes produtos é o seu preço, que não é nada meigo. Mas lembram-se do que disse no início sobre os cremes serem um bem de primeira necessidade? É poupar um bocadinho e pensar nisto como um investimento a longo prazo. 
Aposto que não se vão arrepender.



14/01/2016

| Dos filmes obrigatórios |




Val deixou Pernambuco, no Brasil, para ir trabalhar como empregada doméstica de uma família em S. Paulo, deixando a filha, Jéssica, para ser criada com os avós.
Como é comum no Brasil, Val vive na casa dos patrões, no 'quarto dos fundos', e a sua convivência é pacífica, cada um sabendo exatamente qual é o seu lugar.
Quando Jéssica, já menina-mulher, pede à mãe para ir ter com ela para poder fazer os exames para ser admitida na faculdade, os patrões de Val insistem para que a rapariga fique na casa deles, junto com a mãe.
E é aí que começam os problemas, porque Jéssica vem pôr em causa o equilíbrio que até aí sempre existiu, entre a submissão absoluta de Val e o poder social e económico dos patrões.
Realizado por Anna Muylaert, este é um filme simples, com uma história básica e despido de artifícios, que mostra a grande diferença entre classes que existe no Brasil.  Mas não só, é também um filme sobre o amor. Que arrecadou o Prémio do Júri no Festival de Cinema de Sundance e o Prémio do Público no Festival de Berlim. E que é de uma ternura imensa.
Gostei muitíssimo do filme, um retrato de uma sociedade preconceituosa e atual, grandemente sustentado no papel de Val, interpretado por uma Regina Casé ab-so-lu-ta-men-te as-som-bro-sa. 
Obrigatório ver.


12/01/2016

| Coleção primavera.verão 2016 de Paulo Brandão |

No sábado passado fui até Oliveira de Azeméis conhecer a coleção primavera.verão de Paulo Brandão, que apostou em estruturas fora do habitual, como as plataformas, e na utilização de diferentes tipos de pele, camurça ou cetins.
Tendo por objetivo aliar conforto e inovação, ao que acrescem  os detalhes artesanais, a nova coleção é variada e promete agradar a muitas mulheres. Tenho de destacar a atenção aos pormenores, que me pareceu ser um dos pontos fortes das propostas apresentadas.
Eu fiquei de olho numa série de modelitos, que usava sem pestanejar. Aliás, quem deve ter pensado o mesmo foi a 'nossa' Sarah Jessica Parker, que já foi calçada pela marca. Sortuda!
Aqui ficam algumas fotos:










11/01/2016

| Até sempre Mr. Bowie |

Vou escrever uma série de clichés mas não deixa de ser tudo verdade. 
Era o mestre do pop, do glam e do rock, um visionário por quem tinha uma especial adoração. 
Era um ícone do mundo da moda, ousado e camaleónico como poucos. 
Era único e a sua música era única, reflexo da genialidade do cantor e compositor.
Estou triste como se me falte alguém muito próximo.
R.I.P. Mr. Bowie.


08/01/2016

| My striped cape |

Para além de outras coisas - como a chuva quando não estou em casa, de preferência na cama a ouvi-la cair, ou o frio, com o qual não lido muito bem - chateia-me no Inverno querer tirar umas fotos, estar sol e, quando começamos a fotografar, o tempo ficar mais cinzento do que uma taça de inox, mas em versão sem brilho.
Foi o que aconteceu neste dia. 
Não foi, por isso, o cenário perfeito, mas foi o possível. Podia ser pior! :)








Camisola e botins Zara, saia e capa Stradivarius, mala Parfois

06/01/2016

| Objeto de desejo |

Este ano ainda não fui aos saldos. Aproveitei a Black Friday para comprar uns básicos que me faziam falta e não ando com muita paciência para ir para o terreno, confesso!
Feliz ou infelizmente, nos dias de hoje temos acesso facilitado às lojas online, e tenho andado a cuscar umas quantas, a ver se há algo que me interessa.
Numa dessas pesquisas dei de caras com estas meninas, tão simples e tão-dão-com-tudo-que-até-mete-nojo. E lindas, lindas.
Ando a tentar conter-me, já que me apetece ter sapatilhas de todas as cores e feitios. Mas que são uma tentação, lá isso são!





04/01/2016

| Um dos melhores livros de 2015 |



No ano que passou li muito (tal como tenciono fazer este ano), e este foi um dos que mais gostei. A sério, ficou-me mesmo no coração!
Em 'Homer & Langley' E. L. Doctorow (um autor americano que morreu o ano passado) narra a história de dois irmãos inadaptados, excêntricos e contra-corrente, pelos quais me apaixonei ao fim de algumas páginas. Não obstante a sua história seja trágica é, ao mesmo tempo, deliciosa e comovente: Homer, o narrador, tornou-se cego num processo demorado e Langley, louco e genial em igual medida, é um personagem transformado pela guerra que coleciona tudo e mais alguma coisa.
Só no final do livro é que percebi, através de uma nota do autor, que Homer e Langley haviam sido reais e, claro, fui logo para o Google pesquisar: os irmãos Collyer ficaram famosos por terem sido encontrados mortos na sua casa na Quinta Avenida, soterrados no meio do lixo que acumularam durante a sua vida. Se tiverem curiosidade, podem ficar a saber mais sobre a sua história aqui.
Voltando ao livro, uma pequena obra-prima que merece ser lida, é bom demais.