.backtotop { position: fixed; bottom: 20px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ } .backtotop:hover { background-color: #333333; /* color of background on hover over */ color: #ffffff; /* color of text on hover over */ text-decoration: none; /* no underline */ bottom: 10px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ padding: 10px; /* add space around the text */ } .jump-link { text-align:right; } .jump-link a { text-align:right; font-size:15px; padding:10px; border: 1px solid #000; background-color:#ccc; color:#000; font-weight:bold; } -->

27/02/2019

| As cuecas de estimação |


Sou uma gaja algo picuinhas em relação às minhas coisas: gosto delas novinhas ou, não sendo o caso, bem tratadas e estimadas. 
Isso aplica-se em relação a quase tudo exceto no que toca a umas cuecas, velhas e gastas, de que não consigo abdicar.
Para que percebam a gravidade da situação tenho de clarificar que, no que toca à lingerie, mais do que picuinhas, chego a ser mesquinha: sou incapaz, por exemplo, de usar cuecas de algodão (sim, eu sei que devia fazê-lo, pela minha saúde íntima) e uso sempre conjuntos, não há cá nada de combinações malucas de cuecas com soutiens de diferentes materiais, cores ou padrões. Sou uma freak da combinação interior, é o que é. 
E isso aplica-se em relação a quase tudo exceto no que toca às cuecas, velhas e gastas, de que não consigo abdicar.
Estão mais coçadas do que um atalho em dia de peregrinação a Fátima, a cor - outrora próxima do lilás - é um cinzento desmaiado, o pequeno aplique em metal que um dia existia há muito desapareceu.
Sempre que vêm de lavar olho para elas e pondero se é desta que vão para o lixo e, sem surpresa, volto a guardá-las carinhosamente na gaveta. E o pior é que não há semana em que não as use, que isto é uma relação tóxica de há vários anos: sei que tenho de acabar com isto, mas o raio das cuecas levam sempre a melhor.
Já pensei em provocar um acidente – com lixívia, com uma tesoura, com qualquer coisa que as faça desaparecer – mas não consigo, sinto que estou a traí-las.
Meninas, ajudem-meeeee. 
Há algum segredo para deixá-las partir sem ficar com peso na consciência, com aquela sensação de que aquele bocado de pano ainda tinha muito para dar?
Ao mundo em geral e à minha patareca em particular?

4 comentários:

Unknown disse...

ahahahahah só tu Martinha!!!! uma moldura????

Love Adventure Happiness disse...

Não acho que seja necessariamente mau. É até bastante ecológico da tua parte... Eu deito quando já não se seguram ou têm buracos...

Gil António disse...

Também já tive umas cuecas assim. Um dia, já esfarrapada de tanto uso, deitei-a calmamente no caixote do lixo. Eu sua homenagem - e para não a trair - nunca mais usei cuecas. É assim...
.
Deixando cumprimentos
.
** Sonho em puras lágrimas de amor **

Sandra Marques de Paiva disse...

Compra umas iguais ;) Beijinhos