.backtotop { position: fixed; bottom: 20px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ } .backtotop:hover { background-color: #333333; /* color of background on hover over */ color: #ffffff; /* color of text on hover over */ text-decoration: none; /* no underline */ bottom: 10px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ padding: 10px; /* add space around the text */ } .jump-link { text-align:right; } .jump-link a { text-align:right; font-size:15px; padding:10px; border: 1px solid #000; background-color:#ccc; color:#000; font-weight:bold; } -->

24/04/2018

| Crónicas da vida airada (ou não) #36 |


Já vos disse que adoro conduzir? Gosto mesmo, especialmente quando há pouco trânsito e não se está uma eternidade em modo pára-arranca.
Há cerca de duas semanas estava a ir para Oeiras pela A10 (é uma autoestrada de que gosto muito porque: a) apanho-a logo que saio da A1, e aquilo sabe-me a oásis no deserto, com quase trânsito nenhum; b) a paisagem é linda, alternando entre vales e montanhas a perder de vista) quando tive um daqueles momentos txanan que acontecem raras vezes, mas que são especiais exatamente por acontecerem raras vezes.
Imaginem o cenário: 
São praticamente oito horas e o céu está com uma última réstia de luz, com aquele tom maravilhoso que fica ali entre o rosa e o laranja. 
A estrada está deserta (literalmente, não há vivalma para além de mim) e procuro uma estação de rádio que me agrade. Páro numa qualquer quando percebo que está a começar a passar a Bohemian Rhapsody, dos Queen, que considero uma obra-prima. Subo o volume, começo a cantar, e quando volto a olhar para a estrada, deparo-me com um troço especialmente bonito que parece estar envolto em neblina matinal devido ao fumo de uma fogueira que se faz algures por ali.  
E de repente, este conjunto de fatores alinhados faz-me sentir assoberbada por tanta beleza, e não consigo evitar sorrir - um sorriso franco e gigante -, enquanto absorvo tudo aquilo e me sinto feliz comó raio e com uma enorme sensação de gratidão. Por estar ali, naquele momento, a experienciar algo de mágico e genuíno e que me faz relembrar o quanto amo viver.
Acho que já o escrevi por aqui mas repito-o, porque o alzheimer não dá para mais: por vezes a felicidade custa tão pouco.   

18 comentários:

Ana Rita Ferreira disse...

Lindo!! Consigo identificar-me totalmente com o que escreves. Eu também adoro conduzir, e tenho enormes 'epifanias' enquanto conduzo... Por causa do movimento, paisagem, música, sensação de pertença a algo maior, que se relaciona comigo através do momento...

É uma sensação fantástica, de facto. :)

Joana Sousa disse...

Como te entendo - ADORO conduzir. Já tive uma experiência semelhante na N222, é a estrada mais bonita que conheço. E se já me soube bem fazê-la com o meu namorado, imagino fazê-la sozinha, volume no máximo e vidros abertos...ahhh, que vontade de pegar no carro :)

Jiji

Camila Faria disse...

Que lindo isso Marta! Realmente a felicidade está nesses pequenos-grandes momentos. <3

Os olhares da Gracinha! disse...

Identifiquei-me na tua prosa!
Adoro conduzir e gosto de passear sozinha!
bj

Cristóvão Carvalho disse...

Há momentos simples que conjugados e alinhados nos fazem perceber a beleza da vida, as vezes as coisas mais simples. Gostei muito do blog, beijinho

A Paixão da Isa disse...

deve ser mesmo mt bom quando nao tem cuase niguem pois assim podemos fortar da paisagem gostei mt desta foto bjs

Lu Dantas disse...

Que delícia isso! Que possamos sempre perceber e aproveitar momentos assim! ;)

beijos!

https://ludantasmusica.blogspot.com.br

Vânia Calado disse...

Esses momentos em que percebemos que somos felizes são tão bons. Na maiot parte das vezes andamos a reclamar de tudo e mais alguma coisa e não conseguimos ver o que temos de bom.

E tens razão, a felicidade custa tão pouco.

Beijinhos

Gil António disse...

Boa tarde. Visitando e elogiando a sua publicação: Gostei demais.
.
* Amor = Fogo que Arde em Chispas Ardentes. *
.
Cumprimentos

Mena Almeida disse...

Também adoro andar pelo "deserto" é uma calmaria que só quem já passou, entende;)

Diana Fonseca disse...

O nosso país é mesmo lindo.
Já eu não gosto muito de conduzir.

Andreia Barbosa disse...

Senti-me tão identificada! Adoro conduzir, é quase como uma "terapia" :)

http://cidadadomundodesconhecido.blogspot.pt/

Mafalda Moura disse...

Opaaaa, adoro quando isso acontece. Faz me sentir viva sim ! E imaginei esse cenário na minha cabeça tal e qual como o descreves...

Messy Gazing disse...

Adorei! E é isso mesmo! Aproveitar as coisas lindas e simples da vida e sorrir!

Beijinho!
MESSY GAZING

Mrs. Margot disse...

Adoro quando acontecem esses momentos, quase que apetece captar para guardar e é sempre impossível, porque nem uma fotografia nem um vídeo conseguirá captar tamanha beleza.

MRS. MARGOT

Larissa Santos disse...

Bom dia. Também adoro conduzir. Adorei o seu texto A Vida é linda :))


Hoje:- Eis a fonte que nos alimenta alma

Bjos
Votos de uma boa Quinta-Feira

Catarina disse...

Alegria e inspiração nas pequenas coisas do nosso dia a dia. Um dos meus lemas de vida!!
Beijinhos e bom fds

Ana Freire disse...

Como te entendo... Mas com este estado de loucura... posso eu bem!... :-D
Há mesmo momentos... que devíamos ter presentes mais vezes... pois de facto, custa tão pouco sentirmo-nos felizes... mas depois... estes pequenos breves momentos de consciencialização pura... abandonam-nos... e voltamos ao estado de lucidez habitual... com todas as suas incongruências, exigências, insatisfações... e penitências... para nós mesmos... :-(
Beijinhos
Ana